[ENTREVISTA] Seolhyun fala sobre sua rotina, o AOA, feminismo e Dungchee para a ‘Vogue Korea’, edição de Abril (PARTE 2)


 
P: Assim que você voltou da semana de modas de Milão, você foi assistir a final de curling feminina, certo?
S:
Eu sou embaixadora das Olimpiadas de Inverno de Pyeongchang, mas eu não consegui assistir aos jogos porque eu tinha compromissos em outro país. Assim que eu voltei, eu fui para Pyeongchang. Foi exatamente no dia das finais de curling.
 
P: Como você se sentiu vendo o jogo?
S:
Foi incrível assistir a uma olimpiada bem diante dos meus olhos. Será que vou ter outra experiência como essa antes de morrer? Além de tudo, o motivo por eu acreditar que as atletas do curling feminino da Coreia foram incríveis é porque elas foram capazes de aproveitar o jogo enquanto estavam concentradas. Elas pareciam bem felizes. É incrível o modo que elas colocaram de lado a pressão e aproveitaram o jogo mesmo com muita atenção.
 
P: E a Seolhyun? Você está aproveitando seu trabalho?
S:
Eu acho que agora eu quero ser capaz de aproveitar isso. Eu costumava pensar que a vida era sobre viver intensamente. Eu pensava “Se eu não viver assim, minha vida será um fracasso”. No entanto, não apenas eu, a sociedade em geral está mudando. As pessoas pensam mais na sua felicidade agora. Eu quero seguir em frente e me tornar mais saudável e mais feliz.
 
P: Nesse contexto, houve alguma mudança na sua rotina diária?
S:
Eu comecei a me exercitar. Eu costumava fazer isso somente quando tinha tempo livre, mas agora eu arranjo tempo para fazer exercícios. Quando eu começo a me exercitar, eu me sinto renovada. Minha mente fica limpa. Eu gosto de me exercitar porque eu consigo deixar de lado meus pensamentos no momento e só me concentro no exercício.
 
P: Enquanto você trabalha, você pode se conhecer mais. Quais são as suas forças que você descobriu?
S:
Eu consigo me adaptar rapidamente a mudanças. Não importa onde e quando, eu consigo me associar bem com as pessoas.
 
P: Você fez isso no programa ‘Three Meals A Day’.
S:
Quando eu visito um lugar barulhento, eu me torno energética. Quando eu vou a um lugar quieto, eu me acalmo. Eu consigo facilmente me misturar ao ambiente. É como se você colocasse água em um recipiente retangular, ela ficará com a forma retangular, a água se molda em qualquer recipiente que você a coloca.
 
P: Isso é um grande dom.
S:
As vezes fico confusa. Eu me preocupo como ‘o que eu sou, uma pessoa sem personalidade e subjetiva?’
 
P: Tem alguém com quem você compartilha suas preocupações?
S:
Eu normalmente falo bastante com a minha família. Mas eu não procuro as respostas com eles. Eu apenas converso. Ao invés de dividir isso com alguém com quem eu tenho um relacionamento próximo, eu compartilho com alguém que eu acabei de conhecer. Você sabe… as pessoas que eu sou próximas só irão me dizer coisas boas.
 
P: Você acha que isso define sua personalidade?
S:
Estou tentando. As vezes eu esqueço. De que eu sou única nesse mundo.
 
P: Todos nessa era se sentem desse jeito. A vida é difícil. Já que você é uma pessoa que sempre está em uma posição de ser julgada, eu acho que você se sente mais exausta.
S:
Eu li em um livro que existe duas formas de viver. Uma é pensar que não existe milagres. A outra é pensar que tudo é milagre. Eu acredito mais na segunda opção.
 
P: Você se sente assim esses dias?
S:
Sim, eu não sou ninguém mas ainda assim recebo tanto amor.
 
P: Acho que você é uma pessoa saudável.
S:
Me sinto da mesma forma. Acho que ser saudável é um bom termo.
 
P: Você assiste seus trabalhos antigos?
S:
Não (risos). Tem coisas de que eu sinto vergonha. Também pode ser porque eu assistia tanto antigamente que talvez eu tenha me cansado de assistir.
 
P: Você se sente que ainda não é o suficiente?
S:
Eu acho que é melhor faltar do que ter demais, talvez é por isso que eu sempre tenho papéis pequenos. (risos)
 
P: Como você se sente no palco?
S:
Eu não estou sozinha no palco, certo? Ao contrário, acho que deixar de lado o ego faz a equipe se manter mais unida.
 
P: Quais os planos do AOA?
S:
Agora estamos nos preparando para nosso álbum. Já que faz um tempo que lançamos um álbum, estamos preocupadas em que tipo de imagem devemos mostrar.
 
P: Quais são as maiores preocupações?
S:
O que artistas da nossa geração podem mostrar? O que mais somente o AOA pode mostrar? É uma preocupação de nos diferenciar dos outros, certo?
 
P: Pessoalmente, tem algum assunto em que você esteja interessada atualmente?
S:
Eu fiquei interessada com os problemas sociais femininos. Eu ainda estou estudando mais sobre esse lance de feminismo.
 
P: Se você se comparasse a um animal, que tipo de animal você seria?
S:
Um cachorrinho. Você gosta de alguém que é pequeno, meigo e atencioso com você? hahaha
 
P: Você tem um cachorro chamado Dongchee, certo?
S:
Sim, é um sharpei, eu estou cuidando dele já faz 1 ano e meio. Eu criava ele no meu quarto quando morávamos no dormitório. Eu me mudei quando o Dungchee ficou maior.
 
P: Você se mudou por causa do Dungchee?
S:
Não é isso (risos). Aconteceu naturalmente porque o contrato do nosso dormitório tinha acabado.
 
P: Que tipo de sentimento o Dungchee te trouxe?
S:
“Espere, por que eu gosto tanto dele?”. É um sentimento que eu tenho. Eu realmente estou surpresa com esse sentimento. “Ah… então isso que é amar incondicionalmente”, e todo dia é um aprendizado. Eu acredito que mesmo eu não sendo uma pessoa incrível, mesmo eu sendo uma pessoa que não trabalha duro, mesmo eu não sendo saudável, Dungchee irá me amar pela maneira que eu sou.
 
P: Você foi para Milão como uma representante coreana. Você quer se tornar personalidade da moda?
S:
Agora eu estou lentamente me interessando sobre moda. Acho que estou me tornando ambiciosa sobre isso porque estou começando a conhecer mais e ver mais sobre a moda.

 
 
cr: voguekorea + AOABR + gelastic

26 de Março de 2018 Por: admin Marcador: Entrevista,Traduções

Leave a Reply